terça-feira, 31 de março de 2009

GARCÍA MÁRQUEZ NÃO ESCREVERÁ MAIS?

García Márquez em 2008

O UOL Entretenimento replicou uma notícia da agência espanhola EFE, segundo a qual o escritor colombiano parou de escrever. A fonte dessa notícia é a agente literária do autor de O general em seu labirinto, Carmen Balcells, considerada “uma das mais atuantes no meio literário de língua espanhola.”

Em dezembro do ano passado, o UOL Entretenimento (leia aqui) havia replicado outra notícia, da agência italiana ANSA, informando que García Márquez estava escrevendo um novo livro, cujo tema era o amor. Na ocasião, a fonte era Plinio Apuleyo Mendoza, jornalista e amigo de Márquez, que publicou Cheiro de goiaba, livro de entrevistas com o escritor colombiano.

A afirmação dessa aposentadoria, no entanto, pode ser desmentida de uma hora para outra, junto como lançamento de mais um livro. O autor é craque em dar reviravolta naquilo que julgamos dele. A primeira peça pregada nos leitores é seu ano de nascimento, que consta nas fichas técnicas dos livros como sendo 1928, mas, em sua autobiografia, ele diz ter nascido em 1927.

Por volta do ano de 2000, saiu um boato de que ele estava morrendo de câncer e havia escrito uma carta melodramática, se despedindo de todos. O cronista Mário Prata chegou a escrever, no Estadão, sobre o drama de Márquez. Mas a carta não era dele. Depois disso, em 2005, lançou Memória de minhas putas tristes.


Leia trecho da notícia:

‘Acho que García Márquez não voltará a escrever nunca mais’, disse Balcells em entrevista ao jornal chileno La Tercera, na qual assegurou que o escritor representava 36,2 % do faturamento de sua agência literária.

O escritor Gerald Martin, autor da única biografia autorizada de García Márquez, concordou com Balcells. ‘Eu também acho que (García Márquez) não escreverá mais livros, mas isso não me parece lamentável. Como escritor, foi seu destino ter uma trajetória literária totalmente coerente’, declarou Martin.

No mês passado, durante a Feira do Livro de Guadalajara, no México, o autor de Cem anos de solidão chegou a declarar que ‘escrever livros dá trabalho’. Segundo Martin, García Márquez tem alguns livros completos guardados, mas ainda não decidiu se vai ou não publicá-los.

Leia também:


4 comentários:

minha literatura agora-james. disse...

Caro giba,tem um selo para você no meu blog.Você merece esse e os outros que certamente virão.Sinceramente,seu blog é um dos que mais prazer em ler.Sente-se que você relamente gosta de ler,de literatura.Grande abraço do james.

minha literatura agora-james. disse...

Caro giba,tem um selo para você no meu blog.Você merece esse e os outros que certamente virão.Sinceramente,seu blog é um dos que mais prazer em ler.Sente-se que você relamente gosta de ler,de literatura.Grande abraço do james.

minha literatura agora-james. disse...

P.s._Você gosta do Bolaño?Acho que dpois de Borges nenhum se compara a ele.

Gilberto G. Pereira disse...

Muito obrigado, James! Fico contente com esse elogio.
Quanto ao Bolaño, só li um livro dele, A Pista de Gelo, e gostei muito. Mas não consigo avaliar bem, porque li o livro sob forte influência dos elogios da imprensa do Brasil e do mundo. Nos Estados Unidos, Bolaño é uma festa. Na Espanha, nem se fala, aliás, A Pista de Gelo é ambientada lá.
De qualquer forma, tive uma singular sensação de estranhamento.
Grande abraço!