quarta-feira, 15 de abril de 2009

BEAUVOIR E O RITO INICIÁTICO DA LEITURA

"Para quem foi um adolescente do interior que começou a ler muito cedo, a descoberta da dupla Simone de Beauvoir/Sartre foi uma revelação"
James, do blog Minha Literatura Agora

Ela merecia um prêmio alto como o Nobel de Literatura

Simone de Beauvoir dava certo até quando escrevia fracassos de crítica como Todos os homens são mortais, livro que eu gostava de ler pelo estilo delicioso da autora e suas tentativas de discutir o quiproquó da imortalidade.

Mas, James, autor do blog Minha Literatura Agora, tem razão, ao dizer que as memórias de Beauvoir são melhores que os romances dela. Talvez porque a escrita saia quente, tinindo, das lembranças tórridas de paixão intelectual.

Além disso, ela merecia um prêmio alto, como o Nobel de Literatura, pelo O segundo sexo, livro que entrou na lista de Martin Seymour-Smith como um dos cem que mais influenciaram a humanidade.

James acaba de postar o texto Simone de Beauvoir – uma digressão (leia o texto todo aqui), em que ressalta a qualidade da escritora que foi a grande companheira de Jean-Paul Sartre. Ele traça um perfil da autora de Os Mandarins, chamando a atenção para livros como Memórias de uma moça bem comportada, A força da idade, A força das coisas, A cerimônia do adeus e Balanço final.

Mas também fala de O segundo sexo. “Imaginem uma mulher, em 1949, dizendo que 'não se nasce mulher, torna-se mulher'; e de página em página ir demolindo todos os mitos sobre o 'eterno feminino', a suposta fraqueza psíquica inerente às mulheres. Foi um grande barulho, essa desconstrução da mulher como mito, essa constatação que a verdadeira mulher não era aquela construída pelos homens ao longo dos séculos.”

Uma mulher com a força de Beauvoir deve ser lida por todos que gostam dessa relação com a cultura escrita. Talvez ela tenha alguma coisa de rito iniciático da escrita, porque nos pega justamente na juventude.

2 comentários:

james p. disse...

Giba,estou muito feliz e lisonjeado!Gostaria de ter falado muito mais sobre a obra de Simone,principalmente sobre "A mulher desiludida" e "A velhice".Acho que pode rolar um número 2,talvez.Meu caro,muito obrigado pela sua generosidade.Um abração,meu amigo.

Gilberto G. Pereira disse...

Não há de quê, James. Escreva mais mesmo sobre a obra de Beauvoir. Acho que isso é bom até pra você ir relembrando as leituras que você fez e faz dela, né.
Grande abraço!