terça-feira, 18 de novembro de 2008

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA: dicas de leitura


A impressão primeira que tenho das discussões, sociológicas ou não, sobre racismo e etnicidade no Brasil é a de que dançamos todos, negros, brancos, indígenas e mestiços, o samba do crioulo doido.

Há quem tente explicar as questões de conflito e harmonia raciais, dependendo do ponto de vista, mas nem sempre é convincente, principalmente porque muitos – a maioria – confundem (ou não querem discutir a diferença entre) racismo e preconceito racial. Não vou falar dessa problemática aqui, agora, mas ela é latente em tudo que diz respeito ao assunto.

Neste momento, a intenção é contribuir com dicas de leituras, já que uma das razões por que não avançamos nesse campo de discussão é a falta de informação, porque lemos pouco – e literatura sobre a condição do negro, então, lemos menos ainda.

Ora porque não nos interessamos por esse tipo de leitura, ora porque não encontramos indicações bibliográficas, não sabemos onde encontrar fontes interessantes.

Em função dessa carência, de informação e formação (refiro-me a todos nós), os escritores Cuti e Maria das Dores Fernandes lançaram, em 2002, um pequeno livro-catálogo com 282 títulos de livros sobre consciência negra: Consciência negra do Brasil – os principais livros (Maza Edições, Belo Horizonte, 111 páginas.

E agora, por ocasião do Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro, este blog repassa um trecho da lista.

Apesar de o título sugerir uma bibliografia voltada à publicação brasileira sobre o tema, as indicações abrangem livros de outros países, que falam de seus contextos próprios, como Escrevo o que eu quero, ensaios e discursos do sul-africano Stevie Biko, e Homem invisível, romance do norte-americano Ralph Ellison.

As dicas trazem livros de história, poesia, romances, contos, sociologia, antropologia, auto-ajuda, psicologia, crítica literária, política e biografias. Mas todos refletem problemas muito semelhantes e que servem para a compreensão do que é de fato a consciência negra e a manifestação de nossa identidade, cultura, história e sentimento étnico.

Para levantar a bibliografia indicada, os organizadores lançaram mão de um mecanismo simples: escreveram para 250 militantes de movimentos negros no Brasil pedindo a indicação de livros sobre consciência negra. Destes, apenas 26% responderam (65 leitores). A falta de resposta provavelmente não se refere a uma negligência, mas à carência de leitura até por parte de quem está diretamente engajado, aliada à pouca divulgação das obras que existem.

Os 65 leitores que responderam ao pedido de Cuti e Maria das Dores fizeram isso com muito entusiasmo. O resultado foi importante para a geração de novos leitores, sem dúvida. E é por esta razão que este humilde blog lança na rede a sugestão do livro.

Por serem indicações pessoais, o critério de avaliação de cada livro é bem solto, ou seja, os títulos mais indicados aparecem na frente, os menos indicados ficam no fim da lista, mas não significa que o que está na frente seja melhor ou traga informações mais importantes do que o que ficou atrás.

Para cada título, o catálogo traz sinopses feitas por quem indicou. A lista que será colocada aqui não traz essas sinopses, mas oferece uma boa ocasião para os interessados adquirirem o livro Consciência negra do Brasil.

Dos 282 títulos da bibliografia, segue aqui a lista dos primeiros 60, que foram os mais indicados. Ao longo do tempo, este blog vai tentar resenhá-los:

... E disse o velho militante José Correia Leite, livro de memórias escrito por Cuti e José Correia Leite (Secretaria Municipal de Cultura; São Paulo, 1992, 301 pp).

Tornar-se negro ou As vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social, livro de psicologia escrito por Neusa Santos Sousa (Graal; Rio de Janeiro, 1983, 88 pp).

Pele negra, máscaras brancas, livro de sociologia escritor por Frantz Fanon (Tradução de Adriano Caldas. Fator; Rio de Janeiro, 1983, 190 pp).

Malcolm X, livro de memórias escritor por Malcolm X e Alex Haley (Tradução. Rio de Janeiro; Record, 1965, 469 pp).

Rebeliões da senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas, livro de História escrito por Clóvis Moura (São Paulo; Livraria Editora Ciências Humanas, 1981, 286 pp).

O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado, livro de sociologia escrito por Abdias Nascimento (Rio de Janeiro; Paz e Terra, 1978, 184 pp).

Sociologia do negro brasileiro, livro escrito por Clóvis Moura (São Paulo; Ática, 1988, 250 pp).

Homem invisível, romance escrito por Ralph Ellison (Tradução de Márcia Serra. São Paulo; Marco Zero, 1990, 499 pp.)

Palmares: a guerra dos escravos, livro de história escrito por Décio Freitas (Rio de Janeiro; Graal, 1981, 223 pp.)

O negro no Brasil: da senzala à Guerra do Paraguai, livro de história escrito por Julio Jose Chiavenato (São Paulo; Brasiliense, 1980, 260 pp.)

Casa Grande & Senzala, livro de antropologia e sociologia escrito por Gilberto Freyre (Rio de Janeiro; Record, 2001, 668 pp.)

A integração do negro na sociedade de classes, livro de sociologia escrito por Florestan Fernandes (São Paulo; Ática, 1978, Vol. I, 332 pp., Vol. II, 478 pp.).

Cidadania em preto e branco: discutindo as relações raciais, livro de psicologia e sociologia escrito por Maria Aparecida Silva Bento (São Paulo; Ática, 1998, 80 pp.).

Frente negra brasileira: depoimentos, livro memórias escrito por Márcio Barbosa (São Paulo; Quilombhoje, 1998, 112 pp.).

Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra, livro de sociologia e antropologia escrito por Kabengele Munanga (Petrópolis; Vozes, 1999, 140 pp.).

Negritude: usos e sentidos, livro de antropologia escrito por Kabengele Munanga (São Paulo; Ática, 1988, 88 pp.).

O negro escrito: apontamentos sobre a presença do negro na literatura brasileira, livro de história e crítica literária escrito por Oswaldo de Camargo (São Paulo; Secretaria de Estado da Cultura, 1987, 215 pp.).

Gostando mais de nós mesmos: perguntas e respostas sobre auto-estima e questão racial, livro de psicologia e auto-ajuda escrito por vários autores – Ana Maria Silva, Esmeralda Ribeiro, Lepê Correia, Márcio Barbosa, Maria Célia Malaquias, Maria Lúcia da Silva, Marilza de Sousa Martins (São Paulo; Editora Gente, 1999, 2ª ed., 117 pp.).

O filho nativo, romance escrito por Richard Wright (Tradução de Jusmar Gomes. São Paulo; Best Seller, 1987, 439 pp.).

Negras raízes, romance escrito por Alex Haley (Tradução. Rio de Janeiro; Record, 528 pp.).

Negros em contos, livro de contos escrito por Cuti (Belo Horizonte; Mazza Edições, 1996, 144 pp.).

Cantares ao meu povo, livro de poesias escrito por Solano Trindade (São Paulo; Fulgor, 1961, 214 pp.).

O que é racismo, livro de sociologia e história escrito por Joel Rufino dos Santos (São Paulo; Brasiliense, 1981, 83 pp.).

Alma no exílio: autobiografia espiritual e intelectual de um líder negro norte-americano, escrito por Eldridge Cleaver (Tradução de Antônio Edgardo S. da Costa Reis. Rio de Janeiro; Civilização Brasileira, 1971, 197 pp.).

Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, livro de sociologia escrito por Carlos Hasenbalg (Tradução de Patrick Burglin. Rio de Janeiro; Graal, 1979, 302 pp.).

Quem é quem na negritude brasileira, dicionário biográfico escrito por Eduardo de Oliveira (São Paulo; Congresso Nacional Afro-Brasileiro. Brasília; Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, 1998, 306 pp.).

Rebelião escrava no Brasil – a história do levante dos malês – 1835, livro escrito por João José Reis (São Paulo; Brasiliense, 2ª ed., 1987, 293 pp.).

Os condenados da Terra, livro antropologia e política escrito por Frantz Fanon (Tradução. Rio de Janeiro; Civilização Brasileira, 1979, 275 pp.).

História Geral da África I, primeiro de uma coleção de sete volumes coordenada por Joseph Ki-Zerbo (Tradução de Beatriz Turquetti e outros. São Paulo; Ática. Paris; Unesco, 1982, 864 pp.).

Movimento Negro Unificado: 1978-1988 – 10 anos de luta contra o racismo, livro de política e história (São Paulo; Confraria do Livro, 1988, 80 pp.).

Lugar de negro, livro de antropologia e sociologia escrito por Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalg (Rio de Janeiro; Marco Zero, 1982, 116 pp.).

O poeta do povo, biografia de Solano Trindade organizada por Raquel Trindade (São Paulo; Cantos e Prantos, 1999, 222 pp.).

Quarto de despejo: diário de uma favelada, escrito por Carolina Maria de Jesus (São Paulo; Edibolso, 1976, 184 pp.).

Escrevo o que eu quero: uma seleção dos principais textos do líder negro Stevie Biko, discursos e ensaios escritos por Stevie Biko (Tradução do Grupo São Domingos. São Paulo; Ática, 1990, 184 pp.).

Rap e educação: Rap é Educação, organizado por Elaine Nunes de Andrade (São Paulo; Selo Negro, 1999, 169 pp.).

O negro no mundo dos brancos, livro de sociologia escrito por Florestan Fernandes (São Paulo; Difusão Européia do Livro, 1972, 285 pp.).

Fluxo e refluxo – do tráfico de escravos entre o Golfo de Benin e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII a XIX, livro de história escrito por Pierre Verger (Tradução de Tasso Gadzanis. São Paulo; Corrupio, 2ª ed., c1987, 718 pp.).

Batuque de Tocaia, livro de poesia escrito por Cuti (São Paulo; Edição do Autor, 1982, 82 pp.).

Longo caminho para a liberdade: uma autobiografia, escrito por Nelson Mandela, (Tradução de J. E. Smith Caldas. São Paulo; Siciliano, 1995, 523 pp.).

Escravidão e racismo, livro de sociologia e história escrito por Octávio Ianni (São Paulo; Hucitec, 1978, 143 pp.).

Brancos e negros em São Paulo, livro de sociologia escrito por Roger Bastide e Florestan Fernandes (São Paulo; Nacional, 2ª ed., 1971, 310 pp.).

A casa da água, romance escrito por Antonio Olinto (São Paulo; Círculo do Livro, 1975, 376 pp.).

Dialética radical do Brasil negro, livro de sociologia de Clóvis Moura (São Paulo; Anita, 1994, 249 pp.).

Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro, livro de sociologia escrito por Thomas Skidmore (Tradução. Rio de Janeiro; Paz e Terra, 2ª ed., 1989, 328 pp.).

Tanto preto quanto branco: estudos de relações raciais, livro de sociologia escrito por Oracy Nogueira (São Paulo; T. A. Queiroz, 1985, 133 pp.).

O significado do protesto negro, livro de sociologia escrito por Florestan Fernandes (São Paulo; Cortez, 1989, 111 pp.).

Introdução crítica à sociologia brasileira, livro escrito por Guerreiro Ramos (Rio de Janeiro; UFRJ, 1995, 292 pp.).

Negro, de bom escravo a mau cidadão?, livro de história escrito por Clóvis Moura (Rio de Janeiro; Conquista, 1977, 215 pp.).

Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil, livro organizado por João José Reis e Flávio dos Santos Gomes (São Paulo; Companhia das Letras, 1996, 509 pp.).

A razão da chama: antologia de poetas negros brasileiros, livro organizado por Oswaldo de Camargo (São Paulo; Edições GRD, 1986, 122 pp.).

Flash crioulo sobre o sangue e o sonho, livro de poesia de Cuti (Belo Horizonte; Mazza, 1987, 60 pp.).

Panafricanismo na América do Sul: emergência de uma rebelião negra, livro de sociologia escrito por Elisa Larkin Nascimento (Petrópolis; Vozes/Ipeafro. São Paulo; EDPUC, 1981, 281 pp.).

Criação crioula, nu elefante branco. 1º Encontro de Poetas e Ficcionistas Negros Brasileiros, coletânea de ensaios sobre literatura organizada por Arnaldo Xavier, Miriam Alves e Cuti (São Paulo; Imesp, 1987, 160 pp.).

Cidade de Deus, romance escrito por Paulo Lins (São Paulo; Companhia das Letras, 1997, 550 pp.).

Clara dos Anjos, romance escrito por Lima Barreto (São Paulo; Brasiliense, 1956, 311 pp., Coleção Obras de Lima Barreto, Vol. 5).

Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil, livro de sociologia escrito por Muniz Sodré (Petrópolis; Vozes, 1999, 272 pp.).

Negros e brancos em São Paulo (1888-1988), livro de história e sociologia escrito por Georges Reid Andrews (Tradução de Magda Lopes. Bauru; Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1998, 444 pp.).

Os sertões, livro-reportagem de Euclides da Cunha (São Paulo; Abril Cultural, 1979, 443 pp., Obs: livro indicado para mostrar a visão sociológica preconceituosa, num viés positivista, do negro brasileiro).

Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites no século XIX, livro de história escrito por Célia Maria Marinho de Azevedo (Rio de Janeiro; Paz e Terra, 1987, 267 pp.).

Quilombhoje: reflexões sobre literatura afro-brasileira (São Paulo; Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo, 1985, 91 pp.).

3 comentários:

Anônimo disse...

Foi muito enriquecedora sua lista, já que preciso aprofundar meus conhecimentos nesta área. Que pena que não foram listados os livros maravilhosos de Alice Walker e Toni Morrison. Então aqui estão:
Romances:
Alice Walker
A Cor Púrpura
Ninguém Segura essa Mulher(contos)

Toni Morrison
O Olho mais Azul
Sula
Canção de Solomon
Amada
Pérola Negra
Paraíso
Amor
Jazz
Abraços e boa leitura

Aparecida disse...

Para ser sincera, amei seu blog inteirinho! Tem tudo de gosto. Vou continuar vasculhando!

Gilberto G. Pereira disse...

Obrigado, Aparecida!
Não sei se o primeiro comentário também é seu, porque está anônimo, mas, de qualquer forma, agradeço a quem comentou pelas dicas dadas, que são muito boas mesmo.