sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Cool Heart – diário de viagem a Nova York (12)

                                                Fotos: Gilberto G. Pereira
Painéis  como este na 5ª Avenida impressionam pela beleza das mulheres e pelo tamanho

Dia 12 (17 de julho de 2016)

A 5ª Avenida, considerada um dia por certo personagem como “a avenida que simbolizava a civilização humana”, ainda traz em suas marcas o charme da modernidade. Nela, ainda vemos as fachadas das grandes grifes, como Prada, Tiffany, Banana Republic, Rolex, Armani, Louis Vuitton, and several more.

No dia 17 de julho de 2016, caminhamos pela 5ª Avenida pela enésima vez, rumo ao Central Park, mas com o objetivo de visitar o Guggenheim. Passamos pelo gigantesco prédio que sediou o Metropolitan Museum por um longo tempo, e que agora está vazio. O Metropolitan acabara de se transferir para uma quadra vizinha, fora do chamado Trecho dos Museus (Museum Mile), no Central Park. Por causa disso, talvez a civilizada avenida tenha caído um pouquinho de consideração.

Talvez tenha caído. Mas quando caminhamos por sua longa linha reta que abraça desde o Harlem até o sul da ilha, na Washington Square, onde fica o campus da New York University, não duvidamos de que é um horizonte maravilhoso de se percorrer. Painéis fotográficos imensos, que tomam muitas vezes uma fachada inteira de prédios gigantes, impressionam.

O passeio ao Guggenheim foi suave e tranquilo. Além de admirarmos sua bela arquitetura e a vertiginosa cadência espiralada de seu interior, apreciamos obras de velhos conhecidos de livros e de filmes, como A mulher de cabelo amarelo, de Pablo Picasso, e diversos quadros de Kandinsky (mais de 150 peças do artista se encontram no acervo do museu) e de Miró, além de obras de artistas conceituados, mas que nunca havia ouvido falar antes, como uma galeria inteira com quadros de Alexander Archipenko.

Vi um catálogo do Guggenheim atualizado, que custava 50 dólares (sem os impostos). Pensei em comprar, mas acabei recuando. No dia seguinte, comprei um catálogo antigo, de 1992, por 10 dólares numa livraria mista de novos e usados, sem as aquisições posteriores a 1990.


Guggenheim:  destaque para a bela arquitetura e a vertiginosa cadência espiralada


Aroma de ferro e de cimento
Deixamos o museu, sentimos o ar do oásis de árvores em meio a tanto concreto espigado, e cruzamos para a Central Park Avenue, do outro lado. Nova York era agora uma deliciosa paisagem de arranha-céus com a qual já havíamos nos acostumado.

Desde que Albert Camus a visitara, muita coisa mudara, mas algo do espírito nova-iorquino ainda permanecia. Como pensava Camus, eu também não conseguia manter a cabeça erguida para admirar as alturas dos prédios, mas fotografei bastante.

A admiração de Camus pelas “mulheres na rua, o colorido dos vestidos, dos táxis – todos com um ar de insetos endomingados, vermelhos, amarelos, verdes”, ainda era visível. “O Cheiro de Nova York – um aroma de ferro e de cimento – o ferro domina”, ainda era o mesmo.  Já o colorido dos táxis, como se sabe, ficou para trás.

Em Bonequinha de luxo, filme de 1961 ambientado na Nova York da década de 50, aparecem táxis em cinco cenas. O primeiro - do qual Holly desce em frente a uma loja da Tiffany, na 5ª Avenida - e o segundo são amarelos com listra negra e teto vermelho. O terceiro táxi é vermelho com capô e teto brancos. O quarto é verde e amarelo com listras em preto e branco. O quinto é todo amarelo.

No filme baseado no romance de Truman Capote, outros táxis aparecem na paisagem, sempre coloridos, como os carros da época. Raros eram os táxis de uma cor só. Em 1970, uma lei municipal fez que todos os táxis fossem amarelos, tornando famosos no cinema os chamados yellow cabs, que atualmente são cerca de 14 mil em Manhattan, segundo dados publicados no site da Bloomberg.

Em 2013, uma nova cor de táxi passou a ser vista na cidade, operando a partir do Bronx. A figura dos taxistas mal educados permanece, embora menos do que nas primeiras décadas do século XX. Ao contrário, no entanto, daquela época, hoje os veículos são limpinhos e modernos. Nada de bitucas de cigarros sobre os bancos, ou copinhos de café no assoalho, janelas sujas, forro nojento, chicletes grudados nos forros dos bancos. Ou seja, de lá pra cá, Nova York ganhou em civilidade no seu mais famoso sistema de transporte.

Na volta para casa, o taxista que nos levou ao aeroporto era bengali, e falava pelos cotovelos, numa conversa muito simpática e reclamona da concorrência, num terrível inglês de sotaque bengali. Disse que não é só o Uber que está tomando o mercado dos taxistas, há uma série de outros modelos, incluindo os táxis verdes.

De quebra, o taxista arranjou um jeito de criticar também a educação pública da cidade. “É uma bosta”, disse ele, em outras palavras, claro. O termo pesado utilizado aqui, fui eu mesmo que arranjei, porque estou pensando em nosso próprio sistema básico de ensino. Se o de Nova York é ruim, imagina o nosso.


...

Nenhum comentário: