terça-feira, 19 de abril de 2011

É o racismo, estúpidos!

José Vicente


Abaixo um artigo de José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, criada em 2003. Para se ver o fosso da diferença entre o que há aqui e nos Estados Unidos, lá a primeira universidade feita pelos negros para os negros e minorias é a Howard, de 1867.


Mas o assunto no artigo de José Vicente é outro, publicado na Folha de S. Paulo de hoje, é sobre o racismo cínico que impera no Brasil. Nossa vantagem é que nem todos os brancos sofrem desse mal.


No caso de gente como Bolsonaro e sua trupe, não há outra denominação do que a de racistas e preconceituosos (como se alguma lasca do cérebro faltasse). É o tipo que deve ser veementemente combatido toda vez que vier com asneiras. Basta!



"É o racismo, estúpidos!



JOSÉ VICENTE




--------------------------------------------------------------------------------
O racismo é perigosamente destrutivo e enganador; tanto quanto repudiá-lo, também é indispensável combatê-lo sem trégua e sem piedade
--------------------------------------------------------------------------------



Dez anos depois da primeira Conferência Mundial contra o Racismo e a Xenofobia de Durban, África do Sul, as mazelas e os perigos do racismo acenderam a luz vermelha e a ONU, instituindo 2011 como o Ano Internacional dos Afrodescendentes, volta a conclamar a comunidade de nações a se debruçar sobre os equívocos e a ineficiência das políticas antirracistas, por conta do recrudescimento dos níveis de racismo e discriminação racial contra os negros no mundo.


Recentes bananas oferecidas aos jogadores brasileiros Neymar e Roberto Carlos, as agressões verbais, os sons imitativos de macacos e as vaias das torcidas nas praças esportivas contra jogadores negros dão a dimensão da gravidade da situação, obrigando a Fifa e órgãos ligados ao esporte a tomar medidas severas para prevenção, punição e combate ao racismo, dentro e fora dos gramados.


Surrealismo, ambiguidade, hipocrisia, cinismo, desfaçatez, indiferença e tantos outros adjetivos jorram na literatura quando se analisa a tão vilipendiada trajetória do negro no Brasil. Todos apontam o racismo e ninguém consegue encontrar um racista. Junta-se a eles, a partir de agora, a estupidez.


Estúpido, este foi o adjetivo com que o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT/SP), definiu seu colega Jair Bolsonaro (PP/ RJ), por ocasião de suas maldades racistas e preconceituosas contra a cantora negra Preta Gil e os homossexuais em geral por meio de veículos de comunicação de massa.


O adjetivo em questão, seguramente, pode ser estendido a seus colegas congressistas Jaime Campos (DEM/ MT), que se referiu ao ministro negro do STF, Joaquim Barbosa, como "moreno escuro", por ter esquecido seu nome, Marcos Feliciano (PSC/SP), que responsabilizou a África e os negros africanos por todos os males do mundo, e ao senador Demóstenes Torres (DEM/GO), que, no plenário do STF, disse que a mulher negra gostava de ser seviciada pelo senhor.


Como inocentes úteis, tais nada inocentes parlamentares, protegidos pela impunidade, destilam em praça pública os venenos que reservavam para ambientes privados.


Flertando com os veículos de comunicação, são a fina e rejuvenescida flor daquela corrente que faz um mau uso do direito de expressão para fins pessoais inconfessáveis, colocando o mandato popular a fomentar, voluntária ou involuntariamente, mas de modo igualmente irresponsável, o ódio racial.


Como a resultante dos estúpidos é a estupidez, a retórica dissimulada em ideia livre e democrática é, na verdade, a correia de transmissão para os também estúpidos integrantes das gangues organizadas que, em São Paulo, no ambiente cibernético e à luz do dia, pregam e praticam a perseguição, a agressão e a eliminação de negros, de judeus e de homossexuais.


É o combustível que encoraja os estúpidos das forças policiais, que, na Bahia, conforme noticiou esta Folha, dizimam a juventude negra brasileira. É o estímulo final aos seguranças de shopping centers e supermercados de grife, que vigiam os negros nas passarelas e batem em sua caras nas salas de segurança e em estacionamentos.


O racismo é perigosamente destrutivo e sutilmente enganador. Ele tateia sutilmente pelas frestas e se mistura sinuosamente como naturalidade cotidiana; tanto quanto repudiá-lo, é indispensável combatê-lo sem trégua e sem piedade.


Sem diminuí-lo e sem ignorá-lo. A ONU e a Fifa estão corretas, assim como o deputado Vaccarezza. É o racismo, estúpidos!



--------------------------------------------------------------------------------
JOSÉ VICENTE, advogado, mestre em administração e doutorando em educação pela Universidade Metodista de Piracicaba, é reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares."

6 comentários:

Diego disse...

Toda nação preconceituosa é estúpida e distante de ideais democráticos, assim como da liberdade e fraternidade entre as diversas diferenças presentes em todos os lugares. O Brasil precisa ser dos brasileiros, sejam negros, brancos, homossexuais ou não.
Parabéns pelo texto!
Forte abrço,
Diego.

Gilberto G. Pereira disse...

Obrigado, Dieguito! Repassarei os parabéns ao José Vicente, autor do texto, se um dia ele vier me cobrar por ter copiado e colado o texto dele aqui no velho Leituras. Abraço!

anadraw disse...

Diego, quantos anos vc tem? Parece bem jovem, quando crê nestas palavras: "nação", "ideais democráticos", "fraternidade ... em todos os lugares"; a palavra "preconceito" está igualmente esvaziada de sentido. Tudo é taxado de preconceito, quando o que existe são rixas entre grupos diversos (na religião, no futebol, na raça, nas idéias sociais, nas gangues, e por aí vai). Fraternidade onde? Ana.

anadraw disse...

"Os homens ainda não compreenderam que o tempo das preocupações superficiais é passado, e que um uivo de desespero é mais revelador que o mais sutil dos argumentos e que uma lágrima tem sempre origens mais profundas que um sorriso." (E. Cioran).
Diego, só muito jovem se acredita em ideiais democráticos, fraternidade, e coisas assim. Tudo isso já passou, foram só discursos. "Preconceito" é mais um tema de discurso para projetar seu orador.
Ana.

anadraw disse...

"Os homens ainda não compreenderam que o tempo das preocupações superficiais é passado, e que um uivo de desespero é mais revelador que o mais sutil dos argumentos e que uma lágrima tem sempre origens mais profundas que um sorriso. (E. Cioran).

anadraw disse...

Diego, vc já leu E. Cioran?